segunda-feira, 30 de maio de 2011

Cordel do lobisomem


O Lobisomem no interior da Bahia

Dolores Rosa de Oliveira

Eu vou contar pra vocês
Através desta história
Um causo muito esquisito
Que não sai mais da memória

_Conto ou não conto?

Para entender a história
Que agora vou contar
Uma coisa importante
Vou precisar falar
Na escola se aprende a ler e a escrever
Mas tem muitas coisas para se conhecer
Aos alunos do Infantil e a outros mais de mil
Uma delas é a poesia escrita em cordel
Esta literatura faz parte da cultura
Que enriquece o Brasil.

Para entender a história
Prestem muita atenção
Fechando bem a boquinha
E cole o bumbum no chão
O que agora vou contar
É um “causo” de assombração!

-Mas não fiquem com medo não!!

O seu rosto é peludo
O corpo muito esquisito
Possui o braço bem forte
Esse bicho não é bonito
Não tem medo da morte
Canseira não lhe consome
Esse bicho esquisito
É o tal de lobisomem!

-Uai!

Lá em Rio do Antônio
Perto de Caculé
Grávida de sete meses, estava uma mulher
Uma linda moça e com muita boa fé.
Certa noite o marido falou que ia sair
Disse para a mulher para ela também ir.

-Era noite de lua cheia
Mesmo com tremedeira
A mulher muito estranhou
Pegou um xale de lã e nos ombros colocou
Pensou naquela noite linda de luar
E com seu marido saiu a passear.

-Que lua linda meu bem!
-Mais linda que você não existe ninguém!

E os dois saíram pela noite afora
Nem se deram conta do passar da hora
Chegaram numa encruzilhada
E o marido caiu fora

Disse o marido:
Espere um minutinho
Com a mão na cabeça
Foi saindo de fininho
A mulher sozinha
Esperando ficou
E com um medo danado
Sua barriga abraçou.

De repente a coitada viu sair da escuridão
Com uma boca escancarada
As orelhas bem armadas
Parecia um cachorrão!
Os olhos eram de fogo
Não era lobo nem homem
Era o tal do lobisomem!

-Valei-me minha nossa senhora!

A moça correu e uma árvore avistou
Bem lá no alto ela subiu e ficou
Mesmo assim o seu xale o danado abocanhou
O sol apareceu e um galo se ouviu
Nesse mesmo instante o bicho fugiu

A mulher com medo deu um grito de horror
Naquele momento
O marido voltou
Veio muito suado, parecia cansado,
Pediu-lhe desculpas!
Se sentindo culpado por tê-la deixado

- Me adescurpa muié!
-Vamos para casa marido!

A mulher muito assustada começou a rezar
Logo viu que o marido começava a roncar
O marido roncando e para ele, a mulher olhando
Quase desmaiou
A boca toda aberta, os dentes cheios de lã!
Não! Não podia estar certa!
Meu Deus aquele homem, o pai de seu filho!
Era o lobisomem!

Essa história na cidade
Começaram logo a contar
E até em livro didático ela foi parar
É assim que acontece com a cultura popular
Pula de boca em boca
De arraiá em arraiá!

Dolores

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu olhar é importante para mim.
Volte sempre.
Obrigada.

um olhar de passagem

um olhar  de passagem

Encontro

Fique à vontade!
Neste espaço você será lido, ouvido, acolhido.
Envie-me suas impressões sobre a Literatura. Vamos compartilhar de sabores, saberes e criar laços, entrelaços...
Vamos dividir nossas dúvidas e somar novas idéias. É um prazer receber você.
Dolores Rosa de Oliveira